<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=4381157518605057&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Coberturas Ecológicas Extensivas: Arrefecimento passivo

O objetivo das coberturas ecológicas extensivas, jardins verticais e toda a envolvente verde é criar casas e espaços públicos que tenham organismos vivos com o seu próprio metabolismo regulador. Além disso ajudam a natureza a recuperar o seu espaço perdido nas cidades.

Durante os meses de verão, as áreas urbanas podem atingir temperaturas de 5 a 8 ºC acima daquelas que apresentam as suas zonas periféricas, fenómeno conhecido como efeito ilha de calor. O gradiente varia, dependendo do clima, topografia e desenho urbano.

Um dos principais motivos do fenómeno ilha de calor são as extensas superfícies edificadas que apresentam as cidades, onde a radiação solar absorve e acumula em forma de calor que se desprende lentamente ao longo das horas noturnas. Este fenómeno pode ser quantificado com parâmetros como o albedo, que se refere à quantidade de radiação refletida numa superfície, em relação ao total recebido. É expresso em %, com o 0 sendo a menor percentagem de reflexão e, portanto, a que implica a maior absorção de calor pela superfície. O albedo de um telhado com acabamento asfáltico é de aproximadamente 8%, enquanto o de um telhado verde é de 25%.

Por outro lado, as coberturas vegetais, além de terem uma maior capacidade de reflexão da radiação solar, também arrefecem o ar da superfície no processo conhecido como transpiração, onde a planta absorve a humidade da terra e a expele na forma de vapor de água.

Estas duas qualidades juntas, permitem que as temperaturas alcançadas numa cobertura verde sejam inferiores às de uma cobertura convencional. Enquanto uma cobertura de asfalto pode atingir 70ºC num dia de verão, uma superfície com acabamento vegetal geralmente não excede 26ºC.

Os principais benefícios das coberturas ecológicas extensivas são:

  • Sistema de refrigeração natural e arrefecimento passivo de edifícios.
  • Limpa o ar poluente absorvendo uma certa quantidade dos elementos tóxicos voláteis encontrados no ar, transformando-os em matéria orgânica. Uma cobertura verde é capaz de prender e processar 15 kg de metais pesados.
  • Aumenta os níveis de oxigénio.
  • Filtra o pó e a sujidade que aderem às folhas e são arrastados pela chuva em direção ao substrato dos telhados, que também atua como filtro, reduzindo a carga de contaminantes que chegam aos esgotos. 1 m2 de cobertura vegetal captura 130 gramas de pó por ano.
  • Aumento da vida útil da cobertura. A prova para esta afirmação é o caso do telhado verde da estação de tratamento de água de Zurique (Suíça), instalada em 1914 e reparada pela primeira vez em 2005, um período de 91 anos.
  • Isolamento acústico à pressão sonora externa. Desce cerca de 2-3 dB.
  • Isolamento térmico e menor transmitância térmica. Proteção contra o vento na superfície do telhado, que impede a troca de calor por convecção e a sombra produzida pela vegetação.
  • Economia energética. 60% mais eficientes que as coberturas sem vegetação segundo estudos realizados pela UPM e a  Universidade Politecnica Delle Marche de Itália.
  • Reduz o efeito “Ilha de calor” das grandes cidades que, em média, estão entre 5º e 8º de temperatura acima das áreas rurais circundantes.
  • Naturalização e saúde dos ambientes urbanos.
  • Criação de micro habitat para aves.
  • Reflete e emite calor para o exterior dos edifícios.

Os elementos e membranas que compõem uma cobertura ecológica extensiva são:

  1. Isolamento térmico se necessário com placas de poliisocianurato PIR. Colocação uniforme da barreira de vapor.
  2. Sistemas impermeabilizantes com resistência à perfuração de raízes e ao ataque de microorganismos e floras bacterianas.
  3. Sistemas de PEAD com nódulos de grande formato ou concavidades com vertedouros para favorecer a drenagem e a retenção de água, que também servem para criar uma câmara-de-ar que oxigena as raízes das plantas.
  4. Membranas separadoras mediante feltros sintéticos de polipropileno com gramagem de 200 gr/m2.
  5. Plantação de plantas da família Sedum de alta sobrevivência e manutenção moderada. Recomenda-se 16 unidades / m2. As plantas de Sedum são muito adaptadas à seca, devido à capacidade de armazenar água nas suas folhas carnudas, e seu sistema radicular é um requisito essencial para uma extensa cobertura vegetal, considerando a profundidade rasa da camada de substrato.
  6. Sistema de irrigação em climas secos.
  7. Existe um vácuo regulatório legislativo e não há incentivo.
A BMI como líder mundial em sistemas para coberturas planas e inclinadas, ajuda os projetistas com soluções ecológicas, como membranas descontaminantes Nox Activ (Fotocatálise) e sistemas intensivos e extensivos de telhado verde para criar santuários verdes com microclimas adaptáveis a todos os tipos de condições climáticas e arquitetónico. 

New call-to-action

Escrito por:

Quero Renovar O Meu Telhado

Deixe o seu cometário: